Milho rompe barreira dos R$ 7,4 bilhões em renda em Mato Grosso

Publicado em 17 de janeiro de 2013

A supersafra brasileira de milho colhida em 2011/12 de 72,98 milhões de toneladas possibilitou ao país contabilizar um rendimento financeiro inédito com a cultura: R$ 34 bilhões. O valor corresponde ao chamado Valor Bruto de Produção, que traduz a soma de riquezas produzidas dentro da porteira. O ciclo agrícola encerrou marcado por uma particularidade – a produção de cereal ultrapassou a da soja, a principal commoditie do agronegócio nacional.

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o resultado financeiro para o milho deveu-se especialmente ao Centro-Oeste, região que elevou em 83,4% o VBP em 2012 na comparação com 2011, tornando-se assim o maior volume financeiro dentre todas as regiões do país, com R$ 14,4 bilhões. Sul (R$ 10,3 bilhões e alta de 1,6 %) e Sudeste (R$ 5,6 bilhões; +15,6%), apareceram logo em seguida.

Mato Grosso, principal produtor brasileiro de grãos, também foi destaque, confirmaram os números do Mapa. O Valor Bruto de Produção para o milho saltou de R$ 3,6 bilhões para R$ 7,4 bilhões entre um ano e outro, alta de 103,1%. Paraná também contribuiu para o resultado financeiro geral do país, com um faturamento do milho em R$ 7,44 bilhões, com elevação de 27,1% sobre 2011.

Por outro lado, como informou o Mapa nesta quarta-feira (16), os resultados poderiam ter sido ainda melhores, mas a seca nas regiões Sul e Nordeste afetaram importantes estados produtores, como o Rio Grande do Sul. No entanto, há perspectiva do estado se recuperar na atual safra, já que a Conab prevê aumento na produção do cereal de 40,6% no período 2012/13, destacou o ministério.

Segundo o Mapa, com a recuperação no sul do país, a perspectiva para o valor de produção nacional do milho este ano é de R$ 41,7 bilhões, alta de 22,3% sobre 2012.

Fonte: Agrodebate


Assist Consultoria | Todos Direitos Reservados

Avenida Brasília, 2711 - (66) 3419 1007 - Campo Real CEP 78840-000 - Campo Verde - MT

. .